quarta-feira, 20 de julho de 2011

Nossa arte

Não desalinho mais
As linhas do nosso bordado
Faço moda com agulha de crochê
bordo em pano um sorriso teu
e na sua costura me encaixo

Não desafino mais
Alcanço as terças e tambem oitavas
O som é como quem lenine e tom
Sou nota certa em nosso compasso
E canto...

Não borro mais
Só pinto alegria em nossos quadros
Me enquadro
é surreal
Dalí ficou com cara de espantado
Quando viu

Hoje faço luz pra retratar
longo momento de admiração
E revelar
Neste quarto azul
fotografia que de ti ouvi
Pode tirar

Vou fabricando
arte pelo mundo e a poesia em nosso lar
Se veste de mim
e aperta cinto pra nos ajustar

Vou fabricando
arte pelo mundo e a poesia em nosso lar
Se veste de mim
sem molde à tua moda vou ficar

2 comentários: